Contabilidade Consultiva – como cuidar, assessorar e ser parceiro

Muito se fala sobre a contabilidade consultiva ser o futuro dos serviços contábeis. Mas, na realidade, as coisas são bem diferentes: o contador consultor faz parte do presente, e quem não segue essa tendência irá enfrentar problemas.

Vale destacar: a contabilidade tem como propósito ser consultiva. Faz parte da ciência contábil participar da gestão junto ao cliente. A questão é que, com o tempo, os serviços contábeis se tornaram um padrão dentro da profissão, servindo quase que como uma commodity. Não bastasse isso, há clientes que enxergam a contabilidade como uma obrigação de forma pejorativa, pensando em como isso onera o seu financeiro.

A contabilidade consultiva ganhou esse nome e destaque justamente por conta da criação de modalidades mais econômicas, padronizadas e, por que não, tabeladas. Dependendo do perfil do cliente, há contadores que apenas emitem guias e enviam notificações da Receita Federal, servindo como uma ponte entre ambos, quando necessário. Nestes casos, não há aquele contato mais constante e próximo.

O que considerar na abordagem da contabilidade consultiva?

Falar de contabilidade consultiva não se trata de romantizar a contabilidade ou mesmo contar histórias de terror sobre o fim dos serviços contábeis. Longe disso, o mercado contábil seguirá sendo necessário. A questão aqui é sobre adaptação, não apenas para a sobrevivência do escritório, mas também para ter qualidade de vida e oferecer serviços cada vez melhores.

O contador consultor precisa cuidar do seu cliente. De forma geral, a contabilidade já cuida da empresa, mas não de forma tão profunda, constante e estratégica quanto a modalidade consultiva.

Enquanto a contabilidade tradicional, seja ela digital ou não, foca no cumprimento de obrigações e na manutenção da saúde contábil da empresa, a contabilidade consultiva lida com questões estratégicas, gestão de riscos, parcerias e maneiras de elevar o negócio a um novo patamar.

O que o contador consultor deve fazer?

  • Fazer parte dos negócios do cliente
  • Promover serviços relacionados ao desempenho do cliente
  • Apoiar processos de tomada de decisão
  • Se posicionar como contador consultor
  • Valorizar o próprio trabalho

Se envolver nos negócios do cliente, utilizando sua experiência, sabedoria e conhecimentos para agregar às estratégias e à gestão do negócio. Assim, contadores e clientes trabalham juntos, de forma a minimizar riscos e levar a empresa a um novo patamar. As conquistas do empresário são celebradas em conjunto, seus erros são estudados em conjunto.

Ofertar serviços como o BPO Financeiro, consultoria financeira, entre tantos outros que colaboram para a geração de informações indispensáveis.

Se posicionar como um contador consultor. Ainda que esse lado consultivo faça parte da ciência contábil, é importante que os clientes visualizem a proposta de valor do contador e saibam que serviços são ofertados, além das obrigações tradicionais.

Ressignificar a contabilidade em si. O contador precisa mostrar que os serviços contábeis não são meras obrigações, mas elementos que potencializam a gestão de empresas, colaborando de forma estratégica, prevendo riscos financeiros, contábeis e fiscais, além de promover o equilíbrio necessário para o crescimento.

Quem pratica contabilidade consultiva não precisa brigar por preço

Que contador nunca se viu brigando por preço? Cedendo aqui e ali para não perder clientes para o concorrente, o escritório contábil acaba transmitindo a imagem de que o diferencial dos seus serviços é o preço. Claro, existe toda uma questão de atendimento, de qualidade do trabalho desempenhado e inúmeras qualificações a serem consideradas. Mas, a verdade é que nem todo cliente sequer se importa com isso.

Ter seus certificados na parede é necessário, transmite confiança e demonstra que você sabe o que está fazendo. Mas, quando os calos do cliente apertam e o bolso esvazia, ele começa a pesar o que realmente fará a diferença no seu negócio. O que pode ou não ser cortado, e se existem opções mais viáveis no mercado.

Trocar de contabilidade não é fácil, e muitas vezes é um último recurso. Porém, a possibilidade existe, e com contadores oferecendo serviços cada vez mais abrangentes e cheios de nomes especiais, é inevitável que os olhos do cliente brilhem ao encontrarem algo que o faz pensar “isso é a cara da minha empresa”.

Enquanto serviços contábeis com mensalidades de dois dígitos prosperam, as contabilidades tradicionais e digitais permanecem enfrentando o dilema dos preços. Afinal, o que vale mais a pena? Brigar por preços, ou posicionar-se de forma estratégica?

A resposta fica com você!